sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Resenha Crítica do Filme: Cidade do Silêncio (Bordertown, 2006)



Estados Unidos / 2006

Por Gregory Nava

Com Jennifer Lopez, Antonio Banderas, Kate del Castillo, John Norman, Irineo Alvarez, Sonia Braga.

Cidade do silêncio: Uma denúncia Social

Baseado em fatos verídicos, Cidade do Silêncio conta a história da jornalista Lauren Adrian (Jennifer Lopez), de Chicago, que é mandada por seu chefe para Juarez, uma cidadezinha do México, divisa com os Estados Unidos. Lauren é incumbida a investigar os assassinatos de jovens mexicanas, que trabalham numa fábrica de eletrônicos. Cerca de 500 mulheres já haviam sido estupradas e mortas, e muitas outras mulheres estavam sumidas. Com a promessa de receber o cargo de correspondente internacional, a jornalista embarca para Juarez, contra a vontade.
No México, Lauren procura a ajuda de um antigo colega de trabalho, Alonso Díaz (Antonio Bandeiras), e descobre que os números de assassinatos são muito maiores do que os divulgados pela polícia. Mais de cinco mil jovens já haviam perdido a vida. Alonso é editor chefe do jornal da cidade, Sol de Juarez, e luta todos os dias para poder denunciar as injustiças cometidas pelo governo. A realidade de jornalistas oprimidos e censurados é muito bem tratada no filme, onde a polícia faz cerco quase que diariamente no prédio do jornal. Os populares procuravam abrigo com Díaz, pois era o único que realmente defendia a sua causa sem segundas intenções.
Outro aspecto importante mostrado em Cidade do Silêncio é a miséria que o povo mexicano enfrentava, e ao que era submetido para poder ganhar oito dólares por dia. Meninas de a partir de 14 anos trabalhavam nas multinacionais americanas para poder sustentar suas famílias, as quais muitas tiveram seus terrenos e bens tomados pelo governo. E se não bastasse corriam todos os dias o risco de serem mortas e jogadas no “Lote Bravo”, local onde os estupradores costumavam largar os corpos de suas vítimas.
Encarando essa realidade, Lauren conhece a jovem Eva Jimnenez (Maya Zapata), de apenas 16 anos, que conseguiu escapar das mãos do “diablo”, como eram chamados os assassinos. Operaria de uma das fábricas, Eva foi levada ao Lote Bravo, estuprada por dois homens, e enterrada ainda com vida. A jovem saiu de sua própria cova, voltou para casa e recorreu a Alonso Díaz, no Sol de Juarez, para conseguir proteção. Lauren abraça a causa da jovem mexicana, e passa a ajudá-la para que ela aponte quem foram às pessoas que tentaram matá-la.
No decorrer da investigação a jornalista descobre que esses assassinatos estão ligados a uma corja muito maior do que ela esperava. Grandes empresários e políticos encontram-se envolvidos. Não é apenas a economia da pequena cidade de Juarez que está em jogo, mas sim uma trama de negociações internacionais. A sujeira do dinheiro, das ambições que envolvem a sociedade e cegam os homens, fazendo com que vidas passem a ser menos importantes do que os bens materiais. Se o sacrifício de milhares jovens mexicanas trará lucro, que seja feito.
A trama cutuca a ferida da sociedade, mostrando que muitos dos podres são encobertos para que não se percam lucros. A troca de valores, onde o que produzimos se torna mais importante do que o que somos. Lauren, que a principio não se interessa muito em investigar sobre o assunto, se envolve de corpo e alma na história dessas jovens. Ela arrisca a própria vida para descobrir quem está por trás, lutando para que uma vida melhor seja oferecida a essa sociedade conturbada. Mas, ela é apenas uma jornalista, e mesmo tendo descoberto tudo que estava de baixo dos panos, sua matéria é cortada, e o jornal não a publica.
O poder dos grandes políticos envolvidos é mais que suficiente para calar a verdade por trás dos fatos. E o editor chefe de Lauren, que tanto prezava por um jornalismo ético e esclarecedor acima de tudo, é facilmente rendido pelo alvo de suas críticas. Alonso Díaz é morto por não se calar, e mais uma vez os poderosos continuam dominando, e brincando com vidas como se fossem meras peças de um jogo. No filme, Eva acaba por fazer justiça com as próprias mãos, representando o que muitos oprimidos teriam vontade de fazer para sair de seu enclausuramento.
Com cenas de impacto e uma trama envolvente, Cidade do Silêncio é um filme que merece atenção. Os atores do elenco souberam entrar a fundo em seus personagens, e sensibilizam o telespectador, criando um senso crítico sobre a situação representada. O filme leva a pensar se tudo que ouvimos da mídia é realmente a realidade e o quanto à informação é maquiada até chegar em nossas mãos. Tudo gira em torno de um interesse secular, sendo ele político ou ideológico.

5 comentários:

  1. Gabiii vc tem um blog e nem me aivsa??
    Que legal... Tbém tenho um.. entra lá qdo puder
    www.origem-thaza.blogspot.com!
    Não li nenhum post seu ainda... hehe agora to arrumando minha mala pq to voltando pra Balneário, mas pode deixar que qdo eu chegar lá eu leio e comento... beijooo

    ResponderExcluir
  2. meu nome e monique

    gabi gostei muito da sua resenha critica
    me ajudou com trabalho de escola...
    tchau meu nome monique

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm to com trabalho odiei esse filme viu .------.

      Excluir
  3. Tenho um trabalho da escola desse filme mas to com preguiça de copia isso ai '-' to até com preguiça de ler mas vou ver se consigo copia mas a preguiça ta matando, to parecendo o Shickamaro .-.(do Naruto pra quem não sabe)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ta parecendo que tu nao sabe escrever seu fdp do caralho se for falar do personagem pelomenos entenda que o nome é shikamaru

      Excluir